Equipamento

O melhor equipamento é aquele que você tem!

Show do Cidade Negra - Oi Noites Cariocas - Rio de Janeiro

Fazer boas fotos não é sinônimo de ter o melhor equipamento. Eu sempre bato nesta tecla.
Estas fotos foram feitas com uma câmera básica, destas que trocam de lente. É uma câmera de 2005, ou seja, já se foram 8 anos de tecnologia. E como evoluímos, não?


Pra você que acha que o próximo lançamento vai resolver os seus problemas, fica aqui a dica: o que resolve mesmo é o seu conhecimento. Pode ser no manuseio da câmera e equipamentos, ou na pós produção da imagem (photoshop, lightroom, etc).

Sabe qual lente foi usada aqui?

Leia Mais»

Como proteger sua câmera e lentes de pessoas mal intencionadas

como-proteger-cameras-lentes-featured

Sabemos que equipamentos são caros. O problema é que ladrões também sabem disso.
Sabemos que equipamentos se desvalorizam muito rapidamente no mercado, porque tecnologia é assim. Hoje vale muito, amanhã muito pouco.

Pensando nisso, eu usei uma técnica muito sofisticada para proteger meus equipamentos dos olhares maldosos. :)
A ideia é a seguinte:

Leia Mais»

Chega de ser enganado(a) por vendedores. Compre câmeras e cartões de memória com conhecimento!

main-page-featured

Quantas vezes vocês já se sentiu enganado por vendedores, ou percebeu que os vendedores não entendem daquilo que estão vendendo?

Eu passei e continuo passando por isso praticamente todas as vezes que vou a uma loja comprar um telefone, uma TV, uma câmera e até mesmo roupas. É geral a falta de informação e despreparo.

Pensando em você, que assim como eu, não aguenta mais essa situação, resolvi lhe ajudar a saber como comprar.
Ao invés de depender dos vendedores, dependa só de você.

Leia Mais»

Blackmagic Cinema Camera – Uma concorrente de peso para as HDSLRs!

Olá pessoal,
Hoje o assunto é produção de vídeo levada a sério.
Quem trabalha profissionalmente com vídeo usando DSLRs vai ficar balançado com esse lançamento da Blackmagic (http://www.blackmagicdesign.com/products/blackmagiccinemacamera/).

A câmera tem o singelo nome de “Cinema Camera”, que dispensa traduções.
Ela faz o que todos nós gostaríamos de ver nas DSLR há tempos.

Leia Mais»

FOTOGRAFIA 360º – EQUIPAMENTOS (parte II)

Olá Pessoal,

Preparei um vídeo para mostrar um equipamento especial para fotografia 360º que permite a produção de fotos a 6 metros de altura.

Aqui vai o link para quem quiser ver o resultado da foto 360º imersiva:
CLIQUE AQUI PARA FOTO INTERATIVA 360º

Leia Mais»

HDSLR – CONFIGURANDO O ÁUDIO NA CÂMERA

Muitos fotógrafos sentem-se atraídos pela produção de vídeos com suas DSLRs.
Nos últimos anos a capacidade de gravação de vídeo destas câmeras evoluiu de forma tão assustadora que seu uso já é uma realidade em grandes produções como filmes, seriados e produções publicitárias.
Seu uso está tão difundido que foi criada até uma nova sigla: HDSLR, que em poucas letras quer dizer SLR capaz de gravar vídeo HD de alta definição.

Não vou entrar na questão do vídeo hoje, mas sim de um mundo que é pouco conhecido pela grande maioria dos entusiastas – O áudio.

O áudio em uma produção de vídeo é tão importante quanto o próprio vídeo.
Todos nós estamos acostumados com trilhas sonoras baseadas em músicas conhecidas ou feitas sob encomenda (trabalho que eu realizo há (bem) mais de 10 anos).
Nestes casos, você não precisa se preocupar muito com a qualidade do áudio, pois ele já deve vir para você com qualidade profissional.

As dificuldades aparecem quando você precisa captar o áudio junto com o vídeo. Ex: Uma entrevista, casamento, captação de som ambiente, etc.

Os microfones embutidos nas câmeras estão bem longe de proverem uma qualidade profissional às suas produções, mas podem quebrar um galhão. Eles podem ser úteis se você grava o áudio em algum gravador externo, por exemplo. Você usa o áudio da câmera como referência no sincronismo do áudio captado externamente.

Existem diversos equipamentos no mercado para que você possa gravar seu áudio com melhor qualidade. Desde microfones preparados para serem acoplados nas sapatas dos flashes e que se conectam diretamente à entrada de áudio da sua câmera, até soluções portáteis e sem fio para gravação como microfones de lapela (muito usado em casamento e entrevistas), ou até mesmo gravadores externos que podem ser conectados à sua câmera (como o Zoom H2, H4n, etc)

A fabricante RODE produz microfones que podem ser acoplados às câmeras e ligados diretamente na entrada de áudio. Assim, seu vídeo já vai com um áudio de boa qualidade e você poupa algum tempo.

Para estes casos, é preciso saber configurar a sua câmera de modo a obter a melhor qualidade de som. Mas como?

Algumas câmeras possuem controle de volume de gravação tanto pro microfone interno quanto pro externo (normalmente um controle apenas para os dois).
Nas câmeras Canon, por exemplo, existe um marcador similar a este da foto abaixo:



O ideal é deixar o volume próximo da marcação de -12dB. (dB é a sigla para decibel). Esta é uma marca de segurança para que o som não fique nem alto demais, nem baixo demais.

Fique atento: As barras que marcam o volume não podem nunca encontrar o marcador de 0dB. Note que, quando isso acontece, aparece uma luz vermelha indicando que você, literalmente, passou dos limites.

Os limites do áudio são muito parecidos com os da fotografia.
Imagine uma foto superexposta (clara demais). Quando você deixa o branco tão branco a ponto de não ter mais informações de cor, não tem volta. Você não tem como recriar aquilo que foi perdido.

O mesmo acontece com o áudio. Quando você deixa a luz vermelha aparecer, é como se você estivesse estourando o branco da foto. Não tem mais como recuperar aquele som. Só tem um agravante: Normalmente ele vem acompanhado de um barulho indesejável.

Por outro lado, deixar um áudio baixo demais é como uma foto subexposta (muito escura).

Se você clareia uma foto escura, naturalmente você traz o ruído à tona.
No áudio acontece o mesmo. Se você aumentar o volume daquilo que está baixo, aparecerá o ruído sonoro.

Por falar em ruído, você sabe o que é ruído no áudio?

Um termo muito comum é o “chiado”. Um som contínuo que, independente do que for gravado, está lá no fundo sempre presente. Ele recebe vários nomes de acordo com sua característica: Ruído rosa; Ruído branco. Você não precisa saber os nomes, mas precisa ter em mente que o volume do seu áudio deve ficar em entre -12dB e -6dB, assim como sua fotografia deve estar bem equilibrada.

Se a sua câmera lhe permitir, use sempre o controle manual de volume do audio. Assim você terá maior controle para deixar o áudio no volume certo.

Algumas câmeras ou gravadores possuem um recurso chamado AGC (Auto Gain Control). Sempre que disponível desabilite este recurso. Ele aumenta o volume do som de forma automática, trazendo assim bastante ruído para a sua gravação.

OBS: O visualizador que apresenta o volume em forma de barras nem sempre aparece no live view. Nestes casos, verifique se há um menu para isto em sua câmera.
Na Canon 5D MKII, é preciso acessá-lo em um menu específico (dentro de Live View/Movie Func. Set. => Sound Recording). A Canon T2i, por exemplo, não possui ajuste de áudio. Você só consegue este ajuste através do firmware da magic lantern, que disponibiliza uma série de recursos não originais de fábrica.

Então lembre-se: Se você vai gravar o áudio na câmera, controle o volume manuamente de modo que ele fique próximo de -12 a -6dB.

Boas produções,

Daniel Farjoun
www.danielfarjoun.com
www.xyz360.com.br

USB 3.0 – PRODUTIVIDADE E BACKUP

Quem trabalha com produção de vídeo, áudio ou até mesmo com fotografia, vai adorar este artigo.

Recebi um produto hoje que me fez repensar uma série de procedimentos internos no que diz respeito a backup e ganho de produtividade.

Todos nós sabemos que espaço livre em disco rígido vai embora que nem água.
Quem trabalha com vídeo vive este problema diariamente.
Não é incomum termos produções em vídeo que ultrapassam 100, 200GB de dados. Isto por trabalho. Imagine ao longo do mês… do ano.

Por outro lado, penso naqueles que possuem notebooks e não têm a flexibilidade de tirar e incluir um novo HD 7200RPM de 2TB vez ou outra. É fato que a grande maioria dos HD’s internos dos notebooks têm 5400RPM e são mais lentos para tarefas mais pesadas como edição de vídeo. Principalmente quem trabalha com vídeo 3D que demanda o dobro de informação sendo lida e processada em tempo real (ou pelo menos deveria ser em tempo real).

HD’s externos costumam ter conexão USB2.0, o que por sua vez limita o uso destes equipamentos devido a uma velocidade relativamente baixa de transferência de dados (480 MBit/s).

É aqui que entra a conexão USB3.0. Chegou no mercado e, pelo visto, veio pra ficar.
Ela oferece taxa de transferência de dados de até 5 Gbit/s (10x mais rápida do que a USB 2.0), o que viabiliza, por exemplo, editar vídeo direto de HD’s externos.
O mesmo vale para aquela gravação ou mixagem com mais de 50.. 80 pistas de áudio sendo lidas e processadas em tempo real.

Se você ainda vai comprar seu próximo computador ou notebook, procure por aqueles que já possuem conexão USB3.0 (ex: Novas linhas de Macbooks Pro e Air). Já é uma realidade e, ao que tudo indica, será amplamente usada pelo mercado.

A conexão USB3.0 é também compatível com dispositivos USB2.0, então não se preocupe com o seu HD externo USB2.0. Ele vai funcionar perfeitamente, só que na mesma velocidade de sempre (480Mbit/s).

Para quem possui computador desktop (aquele grande de mesa), existe a opção de se inserir uma placa PCI-Express (PCI-E) para adicionar 1, 2 ou até 4 novas portas USB3.0.
Estes equipamentos podem ser facilmente encontrados no mercado livre (procure por “usb3.0 pci”) ou em sites como o Dealextreme.com.

Eu comprei este modelo aqui (http://dx.com/p/2-port-usb-3-0-superspeed-pci-e-controller-card-35681) e com R$26,00 resolvi meu problema.

A grande questão é: De que adianta ter a conexão USB3.0 se eu só tenho HD SATA ou Externo?

Agora é que vem a parte interessante.
Infelizmente, desconheço soluções para que os seus HD’s externos USB2.0 funcionem como 3.0.
Por outro lado, todos sabem que HD’s externos são consideravelmente mais caros do que os “internos”.

Se você comprar HD’s internos (do tipo SATA 2 ou SATA 3), além de economizar, terá uma maior flexibilidade em seu uso.
Você poderá usá-los dentro de seu desktop e, se você não possui um computador “desktop”, poderá usar uma das diversas soluções disponíveis no mercado para transformá-los em HD’s externos.

A solução mais conhecida é com o uso de “cases”. São caixas de alumínio ou plástico onde você coloca o seu HD, fecha e ele fica em cima da sua mesa como se fosse um HD externo (só que maior). Tem o inconveniente de ter que abrir e fechar a caixa toda vez que for trocar de HD e ainda é comum encontrar problemas de ventilação que podem superaquecer seus HD’s.

Outra solução, esta bem menos conhecida, é com o uso das “dock stations USB3.0”.
São equipamentos que precisam apenas do encaixe de um ou mais HD’s para transformar sua forma de trabalhar, organizar seus arquivos e backups.

Acabou de chegar pra mim o modelo das fotos abaixo.

Ele permite o uso simultâneo de 2 HD’s SATA 3 num total de 6GB. Isto mesmo. Você pode ter disponível, ao mesmo tempo, um total de 6GB no seu notebook ou desktop, sem o stress de abrir e fechar cases. Sem ter que desligar computador e o melhor, você pode retirar e incluir um novo HD sem ter que desligar o computador ou o dock (hot-swap).

Apesar de não entender chinês (sim, o manual vem em chines) existe um botão para backup automático. Através do software que vem com ele você configura qual(quais) pastas deseja copiar e com o toque de um botão ele gerencia todo o processo pra você. O meu dock usb2.0 já fazia isso e é bem interessante.

É possível também habilitar o modo RAID que permite o espelhamento dos HD’s. Com ele é possível clonar os dados de um HD no outro (existe uma luz referente ao processo “clone”.

No mais, não foi preciso fazer nada. Apenas coloquei os 2 HD’s de 2TB cada dentro do Dock, liguei através de um único cabo USB3.0 e pronto, tudo reconhecido e funcionando rapidinho.

Com tudo funcionando, comecei a repensar minha forma de trabalhar.
Me imagino agora com meu notebook com usb3.0 disponível, em qualquer lugar do mundo, usufruindo da minha máquina sem me preocupar com espaço em disco. Poderei carregar quantos HD’s eu quiser junto comigo e ter muitos terabytes para backups diários ao clique de um botão. Poderei produzir nos momentos de espera (ou ócio mesmo) e usar todos os vídeos, áudios e fotos armazenados externamente acessando tudo muito rápido (10 vezes mais rápido) e sem sobrecarregar (lotar) HD interno do notebook.

Já imaginou poder copiar seus dados para 2 HDs ao mesmo tempo através de um notebook?

Quer ter velocidade e poder de armazenamento?
Considere a compra de um HD SSD para o seu computador.
Use ele para o sistema operacional e utilize os HD’s externos para armazenamento.
Seu computador vai VOAR!

Pense agora no aumento de produtividade enquanto você está no quarto de um hotel depois de um dia de trabalho e já poderá, com total velocidade e performance, editar seus vídeos, músicas ou fotos.

São muitas as possibilidades que a USB3.0 e este DOCK para HD’s pode trazer em seu benefício.
Considere este ou outro produto do gênero e boas produções!

Um abraço,

Daniel Farjoun
www.xyz360.com.br
www.danielfarjoun.com